Formatura de alunos do IEMA de Coroatá é marco histórico do município

Mais de 100 alunos do IEMA de Coroará colaram grau na última sexta-feira

Mais de 100 alunos do IEMA de Coroará colaram grau na última sexta-feira (17). O fato é histórico, visto que é a primeira vez que alunos de uma escola pública estadual de Ensino Médio e Técnico da cidade que completa 100 anos em abril, se formam. Os formandos são do Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão, criado no ano de 2015 pelo governador Flávio Dino. Os estudantes concluíram o Ensino Médio e o Técnico em Agricultura, Informática e Zootecnia.

Os estudantes concluíram o Ensino Médio e o Técnico em Agricultura, Informática e Zootecnia

O reitor do IEMA, Jhonatan Almada, relembrou que foram três anos de muitos esforços. Uma luta que contou com um conjunto de pessoas que colaboraram para a efetivação da escola no município. Almada citou a decisão do governador Flávio Dino de criar o Instituto há cinco anos e agradeceu ao deputado Bira do Pindaré, ao prefeito Luís Filho, ao vice Domingo Alberto, e à equipe de gestores e professores do Instituto em Coroatá.

Enfático, Almada pontuou que ao longo dos cinco anos o IEMA alcançou 34 unidades, mais de 6.500 estudantes e um número superior a 25 mil maranhenses certificados em 100 cidades. Disse que em 2019 o Instituto conquistou 1.730 medalhas de ouro, prata e bronze, nacionais e internacionais, e questionou qual foi a escola pública do Maranhão que fez isso antes do IEMA.

“Temos de entender e reconhecer a força desse trabalho marcado por excelentes resultados. Aqui mesmo nesta unidade tem alunos e professores premiados”, disse o reitor ao confirmar que o governador Flávio Dino autorizou a retomada das obras de construção do novo prédio do Instituto em Coroatá. “O governador me falou que quer que eu faça do IEMA a escola dos sonhos. Eu e minha equipe temos nos empenhado ao longo desses anos para fazer isso”, ressaltou.

Indicadores como o de aprovação não ficaram de fora do discurso do reitor, que comparou os números do IEMA com os do Brasil. Em 2019, disse Jhonatan, o Instituto teve 96,5%, enquanto o Brasil ficou na casa dos 90% de aprovação. Almada comparou a taxa de frequência do Ensino Médio no Brasil (69%) com a do IEMA (93,5%). No caso da evasão no Ensino Médio no Brasil, a média nacional é de 4%, enquanto no IEMA é 0,17%. Dos 6.670 estudantes do Instituto, apenas sete evadiram-se.

“Escola de tempo integral e escola técnica tem no Brasil todo, mas IEMA só tem aqui no Maranhão. Tem de reconhecer o trabalho do IEMA”, bradou o reitor ao agradecer aos pais por confiarem seus filhos ao Instituto. “Nós os devolvemos hoje diplomados e como técnicos em Agricultura, Informática e Zootecnia”.

A colação de grau é um marco para Coroatá

“O IEMA entrega à sociedade de Coroatá, do Maranhão, do Brasil e do Mundo, não somente técnicos, mas cidadãos competentes em suas ações, solidários em suas intenções e autônomos na caminhada que desejam tecer ao logo da vida”, afirma o gestor geral da unidade, professor Wilfred Ferreira.

Para a gestora pedagógica da unidade plena de Coroatá, professora Arly Gonçalves Diogo dos Santos, o ensino técnico e profissionalizante é um marco significativo na história desses jovens coroataenses, porque antes não tinham essa oportunidade. “O IEMA é um modelo inclusivo que atende jovens da zona urbana de bairros vulneráveis e da zona rural. É um marco para os alunos, seus familiares, para nós educadores e para o município, porque realmente estão saindo preparados para o mercado de trabalho e para a vida”, concluiu.