Parceria da Secid, CGJ e União garante titulação a 288 famílias do residencial Camboa, em São Luís

Famílias do Residencial PAC Camboa receberam os documentos fundiários das suas moradias. (Foto: Divulgação)

As famílias do Residencial PAC Camboa, em São Luís, receberam, na tarde da última quinta-feira (16), os documentos fundiários das suas moradias. A iniciativa faz parte de um Termo de Cooperação Técnica assinado entre a Secretaria das Cidades e Desenvolvimento Urbano (Secid), a Corregedoria Geral de Justiça (CGJ), a União e a 1ª Zona de Registro de Imóveis da capital. Ao todo, a ação beneficiou 288 famílias. O evento ocorreu no auditório da Fórum Sarney Costa.

O Residencial Camboa faz parte do projeto PAC Rio Anil que beneficiou famílias que, antes, moravam em palafitas. Além da ação de regularização fundiária, a Secid está executando a reforma das áreas comuns do residencial e dando apoio com a distribuição de cestas básicas e pescados por meio da parceria com a Secretaria de Agricultura Familiar (SAF), no âmbito do programa Comida na Mesa.

Representando o secretário das Cidades e Desenvolvimento Urbano, Márcio Jerry, o secretário adjunto de Projetos Especiais, Glinoel Garreto, destacou a importância da iniciativa e o impacto social que a política pública promove na vida das pessoas. “Fizemos a entrega de 288 títulos do residencial Camboa. São pessoas que estavam há 12 anos esperando pelo direito legal de ser o proprietário do imóvel que ocupavam. Hoje, nós transformamos efetivamente a vida de centenas de famílias que antes viviam na insegurança e na informalidade”, ressaltou Garreto.

O secretário adjunto de Projetos Especiais, Glinoel Garreto, destacou a importância da iniciativa. (Foto: Divulgação)

Para o líder comunitário e morador do residencial, Hudson Silva, o documento definitivo da nossa moradia é um sonho realizado. “É um anseio antigo dos moradores. Agora, com os documentos de nossas casas, temos uma forma concreta de segurança jurídica e garantia de direitos”, disse.

“Estou muito feliz e me sinto mais segura com o título de regularização fundiária do meu apartamento. Agora posso dizer que tenho um documento que comprova que o apartamento é meu e de meus filhos”, afirmou a moradora Solange Pinheiro.