Campanha incentiva mulheres a denunciar violência durante isolamento social

Com a pandemia do novo coronavírus e a determinação de se manter o isolamento social, têm se intensificado os conflitos e a violência de gênero tendo a mulher como principal vítima. Para auxiliar quem sofre ou conhece alguma vítima, foi lançada a campanha Isoladas Sim, Sozinhas Jamais!. No Maranhão, a iniciativa é articulada pela Secretaria de Estado da Mulher (Semu), por meio da Casa da Mulher Brasileira e tem apoio da Polícia Militar do Maranhão (PMMA).

Com a pandemia, a melhor forma de proteção é o isolamento social, mas, para muitas mulheres pode significar maior tempo com agressores, destaca a secretária adjunta da Semu, Nayra Monteiro. “Por isso, durante todo esse período estamos intensificando ações para garantir a segurança de todas as maranhenses. Os nossos atendimentos estão ocorrendo normalmente na rede de referência estadual, diariamente para atender quando essa mulher necessitar. A campanha é mais um canal importante nessa luta”, pontuou. A Semu disponibiliza banners e informativos na rede social, orientando a mulher a denunciar e indicando entidades de apoio.

A violência é de várias ordens – física, moral e psicológica – sofrida pela mulher no próprio lar e praticada, em grande maioria, pelo companheiro. Na Casa da Mulher Brasileira é disponibilizado à mulher vítima uma série de serviços de prevenção, acolhimento, segurança, saúde, empreendedorismo e resposta à violência de gênero. O trabalho foi reforçado neste momento de pandemia, em que, por determinação dos órgãos de referência, há a necessidade de isolamento no lar.

“Formamos uma corrente de união para trabalharmos contra a violência de gênero, informando, levando o conhecimento sobre o tema e cuidando dessa mulher a partir de uma rede de instituições do Governo do Estado. A campanha Isoladas Sim, Sozinhas, Jamais! se soma a esses esforços e funciona como um canal para a mulher poder denunciar e ter mais uma forma de se prevenir da violência”, pontua a diretora da Casa, Susan Lucena.

O confinamento pode fazer crescer a violência e até a gravidade dos casos e “a campanha presta um suporte para denúncia, orienta e ajuda a identificar situações de violência, e mostrar que as mulheres vítimas não estão sozinhas”, enfatiza a diretora da Casa da Mulher Brasileira, Susan Lucena.

CANAIS DE DENÚNCIA

Central de Atendimento à Mulher – Disque 180

Polícia Militar – 190

Delegacia Especializada da Mulher – (98) 99187-6622

Casa da Mulher Brasileira – (98) 98425-8469 / 98409-8557

Patrulha Maria da Penha – (98) 2016-8480 / 99219-3671

Ouvidoria da Semu – (98) 984271002 / 9842736812